Ovídio (43 A.C – 17/18 D.C)

Ovídio (43 AC – 17/18 DC) foi um dos maiores elegíacos romanos e poetas da era Augusta. Filho do rico equit, amigo de Horácio.

Ovídio
(20 de março de 43 A.C. – 18/7 A.C.)

Ovídio nasceu em 20 de março de 43 A.C. Em Sulmo sob o nome Publius Ovídio Naso. Ele foi um dos maiores elegíacos romanos e poetas da era Augusta. Filho do rico equit, amigo de Horácio. Ele estava associado ao círculo poético de Corvinus Mesali.

Ele estudou retórica para depois, no entanto, abandonar uma carreira burocrática e dedicar-se inteiramente à escrita. Já em 16 A.C., ele era conhecido como autor de poemas de amor e da tragédia “Medea”, que infelizmente não sobreviveu até o nosso tempo. Logo depois, ele lançou” Heroides “(Heroides), uma coleção de cartas de amor fictícias de heroínas míticas, e o poema”de medicamine faciei feminae”. Ao mesmo tempo, começou a trabalhar com um coletor de elegii ajtiologicznych: “Calendário” (Fasti), inacabado descrição mitos relacionados com datas importantes romano do calendário religioso e “a Metamorfose” (Metamorphoses), coletados em 15 livros de mitos cavalos, o grego e o ítalo-romana, tratam sobre as alterações famosos personagens em animais, as plantas e os corpos celestes. Escreveu um belo poema sobre o amor, “a Arte de amar” (Ars amatoria), contido em três livros, “pequeno romance” (Amores), “Remédios do amor” (Saídas amoris) e “cosméticos” (Medicamina faciei feminae).

O trabalho nas obras foi interrompido pela expulsão do poeta de Roma em 8 EC e pelo reassentamento em Tomis, no Mar Negro. Ainda não se sabe o que causou a expulsão de Ovídio. Existem diferentes presunções. Acredita – se que o motivo possa ter sido sua criatividade frívola (“a arte do amor”), o escândalo da corte envolvendo a filha de Augusto, Julia, a jovem, ou o conhecimento acidental dos segredos da família imperial que forçou César a remover uma testemunha desconfortável.

Criação:
Heróis ou cartas (heróis ou Epistulae) – uma coleção de letras fictícias e poéticas de heroínas de mitos famosos para os heróis desses mitos (por exemplo, Penelope para Odysseus.
Metamorfoses, transformações ( Metamorphoses) – mitos sobre transformações envoltos em composições estruturais complexas.
Amantes ( Amores) – uma coleção de erotismo.
A arte do amor (Ars amatoria) é um belo poema sobre o amor em seus aspectos práticos em três livros: o primeiro é como encantar uma garota; o segundo é como amar nutrir; o terceiro é para as mulheres, como cuidar de um homem, para que o relacionamento seja feliz
Remédios para o amor (Remedia amoris) – como se curar do amor indesejado.
Sobre cosméticos (medicina faciei feminae) – uma faixa curta sobre cosméticos femininos.
Calendário (Fasti-inacabado) – uma descrição dos mitos associados às datas importantes do calendário religioso Romano; trazido apenas até junho.
Luto (Tristia) – uma coleção (5 livros) de obras escritas no exílio, expressando arrependimento pela pátria perdida.
Cartas de ponto (Epistulae ex Ponto) – cartas poéticas para amigos escritos no exílio (4 livros).
Ibis é uma obra escrita no exílio, cheia de invectivas contra um inimigo localizado em Roma.
Medea não é uma tragédia que sobreviveu ao nosso tempo.

Os pedidos de Ovídio para a retirada do exílio nunca foram ouvidos, e o poeta teve que permanecer em Tomis pelo resto de sua vida. A decisão de Otaviano Augusto foi apoiada por seu sucessor, Tibério. De acordo com Ovídio, a desgraça lhe rendeu “canção e erro”. No exílio, ele escreveu ” tristeza “(Tristia) em 5 livros, com a famosa autobiografia e”Ibis”. Em “cartas de ponta” (Epistulae ex Ponto), ele reclamou de seu destino, temendo que, estando longe de Roma, ele destruísse seu talento poético.

Morreu em 18 EC, embora alguns apontem para o ano 17.

Ovídio (43 A.C – 17/18 D.C)
Rolar para o topo