O Que Era Absolutismo

É o regime político caracterizado pela concentração dos podeles Legislativo, Executivo e Judiciário nas mãos de um rei. O absolutismo real preponderou em muitos Estados da Europa, onde a centralização de toda autoridade estava nas mãos do monarca. Em outros Estados, devido às circunstâncias, o Parlamento fou favorecido.

o que era absolutismo
o que era absolutismo

Por toda parte, verificavam-se dois importantes fatos: o enfraquecimento do poder dos nobres (antigos senhores feudais) e a ascensão da burguesia. Os burgueses iam se enriquecendo e tornando-se cada vez mais instruídos e, por esse motivo, eram chamados pelos reis para auxiliarem na administração. Os mais importantes teóricos do absolutismo foram: Maquiavel, Thomas Hobbes, Hugo Grotius, Bodin e Bossuet.

Para Maquiavel, todos os meios usados na luta pela supremacia do príncipe eram válidos, os obstáculos deveriam ser varridos do caminho, ainda que para isso fosse preciso trais, massacrar ou matar.

Para Bodin, as concepções sobre o absolutismo partiam do princípio de que o rei não deveria prestar contas a ninguém, nem aceitar a existência de nenhum parlamento, submetendo-se apenas à vontade de Deus, origem de seu poder.

Thomas Hobbes expôs o absolutismo a partir da concepção de que tudo era um imenso caos no primitivo estado da sociedade.

Absolutismo na Inglaterra

Após a Guerra dos Cem Anos, entre a França e a Inglaterra, no período de 1337 a 1453, a Inglaterra continuou envolta em grandes conflitos e a dinastia Tudor passa a estabelecer o absolutismo. A Guerra das Duas Rosas, entre a casa de Iorque e a casa de Lancaster, dividiu a nobreza deixando o país em grande confusão. Essa insegurança contribuiu para que a burguesia, por meio do parlamento, apoiasse uma medida ilegal tomada pelo duque Tudor, Henrique VIII.

A aristocracia saiu abalada dessas lutas. O Estado foi centralizado e o absolutismo implantado. É a partir da ascensão ao trono de Henrique VIII que o absolutismo vai atingir o seu ponto máximo.

Henrique VIII rompeu relações com a Igreja Católica e fundou o anglicanismo, separando a Igreja inglesa através