Nilson de Souza Pereira (Biografia)

Nilson de Souza Pereira

Nilson de Souza Pereira. Na atualidade reconhecido conferencista e médium espírita, e sob a orientação do Espírito Joanna Degelis, a fundação do Centro Espírita Caminho da Redenção, ano 1947, cujo epicentro é a obra social A Mansão do caminho, fundada em agosto de 1952, da qual foi presidente e administrador.

Sumário
1 inícios
2 Militância Espírita
3 Embaixador da Paz
4 Trabalho
5 morte
6 Links Relacionados
7 Fontes

Nilson de Souza Pereira, fundador da mansão do caminho, amigo de Divaldo Pereira Franco. Foram 61 anos de dedicação yamor pelas crianças nos arredores de Salvador, contribuindo para uma vida com dignidade e respeito, de acordo com a Doutrina Espírita e o Evangelho de Jesus.
Nascimento 26 de de 1924
Salvador, Bahia, Bandeira do Brasil Brasil
Morte 21 de novembro de 2013
Causa da Morte falência múltipla de órgãos
Nacionalidade Brasileira
Ocupação palestrante e médium Espírita
Conhecido por tio Nilson

Inícios
Nilson de Souza Pereira, natural de Salvador (Bahia), nasceu em 26 de outubro de 1924. Sua etapa profissional a desenvolveu no Ministério da Marinha, onde desempenhou vários cargos, entre eles, o de telegrafista, e posteriormente foi funcionário do serviço de correios e Telégrafos de sua cidade natal.

Militância Espírita
Em 1945, com 20 anos de idade junto com Divaldo Franco e orientado pela benfeitora Joanna De Angelis começou o trabalho de ajuda que deu lugar à fundação em 7 de setembro de 1947 ao Centro Espírita Caminho da Redenção na zona de Lima, Salvador de Pau, cujo epicentro é a obra social A Mansão do caminho, fundada em agosto de 1952, da qual era presidente e administrador. Nestes estudos, a experiência e dedicação de Nilson foi essencial para o desenvolvimento da obra.

Tio Nilson, como carinhosamente os mais próximos o chamavam, foi o artífice de que todo esse grande complexo funcionasse em plena harmonia, eficiência e desempenho, alcançando plenamente os objetivos propostos. Foi ele quem, através de seu exemplo de trabalho e abnegação, traçou as linhas de atuação, durante esses 68 anos, pelas quais se rege toda a grande equipe de colaboradores que a conduzem.

Após a aposentadoria e até sua desencarnação, dedicou-se inteiramente aos demais, nas tarefas diárias de Mansão do caminho e a iluminação doutrinal , quando acompanhou seu irmão ideal. Nilson presidiu as atividades do trabalho e dirigiu as obras doutrinais e gráficos. A renda no plano espiritual, sua tarefa missionária.

Embaixador da Paz
Em 30 de dezembro de 2005, Nilson recebeu o título de embaixador da Paz no mundo por Ambassa de Universelle pour la Paix em Genebra, capital da Organização Mundial da Paz, um braço da ONU, Suíça, concedido pelos serviços competentes para a humanidade. Portanto Nilson Pereira de Souza é o 206 Embaixador da Paz do mundo.

Por seu trabalho e dedicação, em 9 de julho de 2007, lhe outorgaram a “Medalha 2 de Julho”, galardão que o governo do Estado da Bahia concede às 50 personalidades mais destacadas em suas respectivas áreas de ação nesse estado brasileiro; em seu caso, na área de assistência social e solidariedade humana. Essa condecoração lhe foi imposta no Salão dos espelhos do Palácio Rio Branco.

Obra
Nilson coletou vários temas derivados do trabalho mediúnico de Divaldo Franco, bem como crônicas das viagens e entrevistas do mesmo, plasmando-os em vários livros. Dando sua contribuição ao Movimento Espírita, Nilson organizou os seguintes livros:

Terapia Espírita para os desencarnados.
O serviço do Espiritismo (Divaldo Franco na Europa)
E Still Love
Exaltação da Vida
Depois da Vida
Vidas em Triunfo
Viagens e Entrevistas
Também colaborou na revista “Presença Espírita”, veículo informativo do Centro Espírita Caminho da Redenção

Morte
Nilson faleceu na madrugada de quinta-feira, 21 de NovembroDe 2013 às 4:40 da manhã no Hospital Santa Isabel , em Salvador, com insuficiência orgânica múltipla. Tinha 89 anos e estava recebendo tratamento contra o câncer.

Divaldo, sabendo que a partida de seu amigo estava próxima a uma série de conferências em São Paulo, conversou com Nilson, despediu-se e orientou tudo o que se devia fazer para seu enterro.

Foi aquele grande amigo, discreto, incondicional. Ele estava sempre onde devia estar, a fazer o que tinha de fazer. Sem dúvida deixou uma marca imperecível de nobreza, coragem, entrega através da qual poderão orientar os seus passos aqueles que têm a grande responsabilidade de continuar com o seu trabalho a favor de todos os seus semelhantes.

Sua última viagem a Barcelona foi no ano 2009, em 3 de dezembro, data da conferência que o CBCE organizou ao professor Divaldo Franco. Foi a última vez que esteve presente.

O CBCE quer deixar muito patente o reconhecimento por tão dilatada e eficaz trabalho, assim como a nossa admiração e respeito pela sua pessoa pelo seu valor e dedicação, méritos que só são património dos verdadeiros lutadores como ele foi e, com toda a certeza, continuará a ser.

Nilson de Souza Pereira (Biografia)
Rolar para o topo