Nazismo na Alemanha

Vencida na Primeira Guerra Mundial e humilhada pelas duras condições impostas pelo Tratado de Versalhes, a sociedade alemã enfrentou os anos 1920 com imensas dificuldades econômicas e sociais. Mesmo retomando o desenvolvimento industrial, a população do país ainda sofria com o elevado número de desempregados e as altas taxas de inflação.
Entusiasmados com o exemplo da Revolução Russa, diversos setores do operariado protestavam contra a exploração capitalista em greves organizadas pelo Partido Comunista Alemão (KPD) e pelo Partido Social Democrata (SPD).
Temendo a expansão do socialismo, considerável parcela da elite política e econômica alemã passou a apoiar o Partido Nazista — autoritário e antidemocrático —, liderado por Adolf Hitler.
Nascido em Braunau, na Áustria, Adolf Hitler (1889-1945) teve uma juventude marcada por mágoas, fracassos e dificuldades econômicas. Residiu em Viena, de 1909 a 1913, procurando ingressar na Academia de Belas Artes. Não conseguindo atingir seu objetivo, mudou- se para Munique e, em 1914, alistou-se como voluntário no exército alemão. Ferido em combate na Primeira Guerra Mundial, foi condecorado com a medalha Cruz de Ferro.
Ao final da guerra, Hitler retornou a Munique, trabalhando em um departamento de imprensa e propaganda das forças armadas alemãs. Em setembro de 1919, filiou-se ao Partido dos Trabalhadores Alemães, rebatizado em 1920 como Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães — cujas letras iniciais formam a sigla NAZI, de onde deriva o termo nazismo. Em julho de 1921, Hitler tornou-se chefe absoluto do Partido Nazista.


As idéias nazistas foram difundidas de várias formas: os discursos de Hitler para grandes concentrações de massa, nas publicações do partido e nos grandes espetáculos criados para influenciar a opinião pública — destacan- do-se desfiles militares e um conjunto de ritos pomposos, adotados para transmitir a idéia de ordem, disciplina e organização.
Quanto ao sistema educacional, Hitler pregou, no Mein Kampf: O povo alemão, hoje destruído, morrendo, entregue, sem defesa, aos pontapés do resto do mundo, tem absoluta necessidade da força que a confiança em si proporciona. Todo o sistema educacional deve ter como objetivo dar às crianças de nosso povo a certeza de que são absolutamente superiores aos outros povos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *