Comparada ao poderoso Império Persa, a Grécia era um território pequeno e insignificante, pontilhado de pequenas cidades-estado, cada uma com população em torno de trinta mil habitantes. Não costumava haver cooperação de Atenas, Tebas, Esparta, Corinto e outras cidades-estado em tempos de paz: cada qual cuidava de seus assuntos e tentava superar comercialmente as vizinhas. Mas essa terra de centros políticos desunidos precisou de ajuda quando o Império Persa ameaçou se expandir para além da Turquia até o mar Egeu.
Em 499 a.C., as colônias gregas da Turquia começaram a se revoltar contra a regência da Pérsia. Atenas e outras cidades-estado enviaram ajuda para os conterrâneos da Grécia. Como resposta, Dario I (558-486 a.C.), rei da Pérsia, enviou um exército e uma esquadra para conquistar a Grécia em 490 a.C.
A frota persa ancorou próximo à costa da Grécia, ao norte de Atenas. Aproximadamente trinta mil soldados persas desembarcaram e marcharam contra Atenas, a cidade mais exposta a ataques por terra e por mar. Os persas foram atacados na praia por dez mil atenienses concentrados em postos mais elevados. Correndo para o ataque, os guerreiros hoplitas desequilibraram os persas e fizeram o exército inteiro recuar, desordenadamente, de volta aos navios. Cerca de seis mil persas morreram na praia, na batalha de Maratona; a Grécia permaneceu livre e pode continuar a realizar suas experiências democráticas.

Figura de guerreiro persa em cerâmica esmaltada policrômica, originária da sala de audiências do palácio de Dário I, em Susa.
Dez anos depois, Xerxes (519-465 a.C), sucessor de Dario, fez outra tentativa de subjugar os gregos. Comandando trezentos mil soldados persas por terra, através da Turquia, e cruzando o estreito de Helesponto, Xerxes chegou a Atenas e queimou grande parte da cidade em 480 a.C. Entretanto pouco depois, viu sua frota perder a batalha de Salamina, bem ao sul de Atenas. Os atenienses haviam construído embarcações com três ordens de remos. Podendo manobrar seus navios mais rapidamente nas águas restritas de baía de Salomina, os gregos venceram por esperteza a enorme frota persa. O numeroso exército de Xerxes despendia dos suprimentos de sua frota; Xerxes voltou para a Ásia, deixando entretanto, um exército de tamanho considerável sob o comando de Mardônio para assediar os gregos durante o ano seguinte. O exército de Mardônio foi completamente derrotado pelos guerreiros hoplitas da Grécia em Platéia, na primavera de 479 a.C.
Outros combates se seguiram e um ressentimento duradouro se desenvolveu em ambos os lados. As guerras ocorreram em 499-448 a.C. Um novo conflito parecia provável, mas antes de atacar os persas, os gregos ainda iriam lutar entre si em uma série de conflitos conhecidos como Guerra do Peloponeso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *