A longa sequência de guerras entre Inglaterra e Escócia que deu a independência a essa última, iniciou-se em 1295. As mortes do rei escocês Alexandre III em 1286 e de sua neta, Margarete da Noruega, em 1290 deixaram o trono da Escócia aberto às facções rivais lideradas por Robert the Bruce (1274 – 1329) e John Balliol. Essa crise na política escocesa deu espaço ao rei inglês Eduarto I, que propôs ser mediador e conciliador entre as duas facções. Eduardo escolheu Balliol para rei em 1292 e depois impôs um estado de vassalagem a ele e a toda a nação escocesa.
Balliol se rebelou em 1295 e, em 1296, foi deposto por Eduardo, que rumou para o norte com tropas inglesas. As forças de Eduardo capturaram a maioria das cidades escocesas, roubaram a Pedra de Scone (sobre a qual todos os reis escoceses haviam, até então, sido coroados) e voltaram à Inglaterra. Eduardo deixou três delegados e algumas guarnições militares para governar o país e reprimir levantes futuros.
O plebeu escocês William Wallace (1272 – 1305) surgiu para liderar uma rebelião contra o controle inglês. Usando táticas militares não convencionais, especialmente o emprego de concentrações de lanceiros, Wallace surpreendeu e derrotou um grande exército inglês na Batalha de Stirling Bridge, em 1297. Alarmado, Eduardo marchou novamente para o norte, e sua enorme armada esmagou o exército de Wallace na Batalha de Falkirk, em 1298. Wallace escapou e foi em frente, envolvendo-se em uma guerrilha mortal contra as guarnições inglesas. Eduardo novamente rumou para o norte em 1303, derrotou as tropas de Wallace em campo aberto e depois esperou que Wallace fosse traído. O patriota escocês foi então julgado, enforcado, arrastado e esquartejado, mas a lembrança de sua coragem e de seu patriotismo permaneceu para inspirar outros escoceses.

Retrato de Robert the Bruce.
Robert the Bruce fez um jogo duplo durante a revolta de Wallace, mas em 1306, assassinou seu único rival verdadeiro na disputa do trono e fez-se coroar rei da Escócia em Scone (sem usar a Pedra, que permanecia na Inglaterra). Eduardo I empreendeu uma última campanha: derrotou Bruce, que foi forçado a fugir para a Irlanda. A morte de Eduardo em 1307 privou a Inglaterra de um de seus líderes militares mais eficazes, e Bruce logo retornou à Escócia para iniciar uma guerra de fronteira. Venceu a crucial Batalha de Bannockburn em 1314 e repeliu uma invasão do rei inglês Eduardo II, em 1322. A Paz de Northampton, de 1328, deu à Escócia independência legal e soberania. O país havia conquistado sua liberdade e, embora viesse a ser anexado à Inglaterra em 1603, a região norte da ilha nunca se considerou meramente outra região da Inglaterra; era verdadeiramente uma nação própria, com sua cultura, herança e orgulho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *