Era Vargas – Resumo da História

Era Vargas.

O Estado Novo foi resultado de uma série de influências internas e externas. Em um cenário marcado pela crise do liberalismo e pela crença na necessidade de um Estado forte e interventor, Getúlio Vargas despontou como o líder ideal. Nesse sentido, o novo regime político brasileiro buscava atender à necessidade de um modelo de governo forte e centralizador..

A ditadura do estado novo.

a constituição de 1937 era claramente inspirada nos modelos fascistas europeus, que vinham ganhando força desde a década.

Os prefeitos dos municípios passaram a ser indicados anterior pelos governadores, que, por sua vez, eram aliados do presidente. Os partidos políticos foram extintos, bem como o Congresso. A Constituição até previa a convocação de um Poder Legislativo, mas isso nunca.

aconteceu. Também não havia o cargo de vice- presidente..

A repressão às oposições era justificada pela defesa da Unidade Nacional e da luta do país contra os inimigos. a pena de morte voltou a ser instituída no ordenamento jurídico brasileiro.

Na economia, mantinha-se a importância da intervenção estatal, com implementação de ações reguladoras e fomentadoras das atividades econômicas. Consolidava-se, assim, o nacionalismo econômico, e o Estado podia avançar para a industrialização de base. nacionalismo econômico.

Departamento de imprensa e propaganda tinha como objetivo promover a imagem de Vargas e do governo. Ao mesmo tempo, era responsável por impedir as críticas ao Estado Novo.

em meio as atrocidades cometidas pelos agentes do estado novo, crescia também a aproximação entre o estado e a classe trabalhadora.

CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO.

foi um documento que organizava a legislação trabalhista. os trabalhadores tiveram seus direitos mantidos durante a ditadura, aumentando ainda mas a “troca simbólica”.

Em 1942, celebrou-se o Acordo de Washington, sacramentando a entrada brasileira na guerra contra o Eixo. O Brasil usou como justificativa uma série de ataques a navios brasileiros por submarinos alemães..

A participação brasileira contra o Eixo, no entanto, mostrava as contradições do regime: o Estado Novo era uma ditadura de inspiração fascista, mas enviava soldados para combater os regimes fascistas, em apoio às democracias liberais. Crise do estado novo.

Setores das Forças Armadas e da oposição liberal, formada por membros de diferentes segmentos da classe média, começaram a se articular pela redemocratização. outros acontecimentos aceleraram o processo, como as passeatas da UNE e o manifesto dos mineiros setores do exército articularam-se para derrubar o presidente e pôr fim ao Estado Novo. Diante do golpe, Getúlio concordou publicamente com sua saída e retirou-se para São Borja

Era Vargas Revolução de 30 e Golpe do Estado Novo

A derrubada do governo de Washington Luís, em 1930, abriu um espaço político que foi preenchido por Vargas. Ele comandou e articulou um processo de conciliação de interesses em meio a um país tensionado internamente, com trabalhadores organizados, tenentes rebelados e oligarquias em estado de alerta. Assim como sua candidatura pela Aliança Liberal, sua chegada ao poder reunia setores distintos da sociedade brasileira, grupos que, de certa maneira, não se sentiam contemplados pelos governos oligárquicos dos anos anteriores.

Trabalhismo o Estado organizado por Vargas se baseava na ideia de valorização do trabalho e do trabalhador. Essa foi a estratégia utilizada por ele para promover a consolidação política, visto que precisava de uma base sólida, e os diferentes grupos sociais enxergavam nele a possibilidade de ter atendidas suas demandas. Ao construir a imagem de que o trabalhador era o bom, criava-se a ideia de que o trabalho era fundamental para o sucesso. O trabalhador se sentia valorizado pelo Estado, era pela primeira vez colocado no centro de questões fundamentais.

governo provisório Getúlio Vargas assumiu o comando do país com plenos poderes, pois dissolveu o Congresso Nacional e passou a governar por meio de decretos. Começava um processo de centralização política e desmonte do modelo oligárquico. O novo governo instituiu o Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio, responsável pelo desenvolvimento econômico e pela organização dos trabalhadores, e criou o Ministério da Educação e Saúde, com o objetivo de ampliar a atuação do Estado e atender aos aspectos básicos da vida dos cidadãos.

leis trabalhistas.

atais.

jornada de trabalho foi regulamentada, estabeleceram-se um dia de descanso semanal e férias remuneradas para cada 12 meses trabalhados, por exemplo. Tais direitos, porém, aplicavam-se apenas aos trabalhadores urbanos.

Sindicatos.

A fundação de sindicatos foi incentivada, e filiar-se era a garantia de ter acesso aos direitos estabelecidos em lei

Ao fazer parte do sindicato, o trabalhador estava atrelado ao Estado, que regulava a atuação dele e buscava um contato direto com o trabalhador.

o Governo Provisório incentivou a industrialização e reduziu a dependência em relação ao café, diversificando a economia brasileira. A adoção de tarifas protecionistas, a abertura de linhas de crédito e a criação de legislações favoráveis ao desenvolvimento industrial possibilitaram avanços no período.

Era Vargas.

Revolução constitucionalista as oligarquias paulistas se ressentiam das mudanças promovidas por Vargas. Uma vez longe do poder, questionaram os rumos do Brasil sob o novo regime. ficara estabelecido que o país teria uma Constituição e seria reorganizado após 1930, mas, passados dois anos, a Constituição de 1891 havia sido desmantelada, o presidente governava por meio de decretos e os estados estavam nas mãos dos tenentes. O presidente tentou contornar a situação ao apresentar um código eleitoral, nomear um novo interventor civil para o estado e convocar eleições para maio de 1933. Essas medidas, no entanto, não contiveram o movimento de rebelião que já se desenhava em São Paulo.

A morte de quatro estudantes por forças repressivas do Estado criou mártires e abriu caminho para um levante de setores das oligarquias e de camadas médias paulistanas contra o governo. M.M.D.C., as iniciais dos nomes dos jovens mortos, deu nome à organização oposicionista. Os conflitos duraram pouco tempo, e em outubro do mesmo ano veio a rendição. Os principais líderes do movimento tiveram seus direitos cassados ou seguiram para o exílio, e um novo militar passou a comandar o estado de São Paulo.

Constituição de 1934.

A nova Constituição foi elaborada pela Assembleia Nacional Constituinte, eleita em 1933. Nela um conjunto de avanços merece destaque: o voto seria secreto, direto e obrigatório; as mulheres poderiam votar, e os procedimentos eleitorais seriam organizados e fiscalizados pela Justiça Eleitoral. Como o voto poderia ser exercido somente por maiores de 18 anos alfabetizados, continuavam excluídos do processo eleitoral os analfabetos, os praças (não oficiais) e os mendigos. A legislação trabalhista, foi incorporada como lei no texto constitucional. Os sindicatos poderiam atuar, desde que autorizados pelo Estado e vinculados a ele.

AIB E ANL.

A Ação Integralista Brasileira (AIB). Era baseada na ideia de combate aos valores liberais e socialistas e na defesa do nacionalismo e do corporativismo. O Manifesto Integralista, lançado em 1932, sintetizava essas ideia a Aliança Nacional Libertadora (ANL), o grupo defendia a reforma agrária, a suspensão do pagamento da dívida externa, a constituição de um governo popular, a garantia das liberdades democráticas e a nacionalização de empresas estrangeiras.

Prestes apresentou um manifesto em que propunha a derrubada do governo Vargas e exigia “Todo poder à ANL”. O documento foi visto pelo governo como uma declaração de guerra e considerado uma ameaça à segurança nacional. Sob essa justificativa, Vargas acusou a ANL de ser um partido soviético no Brasil e ordenou seu fechamento. Cresceu então, a ideia de uma constante ameaça comunista no brasil.

Getúlio buscava criar um clima de instabilidade, em que ele próprio aparecesse como salvador e se mantivesse no poder. políticos foram libertados, e houve forte agitação anticomunista. A falsa alegação que havia um suposto plano comunista no brasil, o plano Cohen, contribuiu para isso. Com o apoio das Forças Armadas, Vargas afastou os governadores que se opuseram a seu movimento, dissolveu o Congresso e outorgou uma nova Constituição em novembro de 1937. Chegava ao fim o Governo Constitucional e começava o Estado Novo.