História da Bomba Atômica

Cientistas descobriram o terrível poder da fissão nuclear pouco antes da II Guerra Mundial, e os países em guerra se apressaram para desenvolver a primeira bomba atômica. O mundo tomou conhecimento da vitória científica dos EUA quando foram lançadas as bombas sobre duas cidades japonesas – Hiroshima e Nagasaki -, destruindo-as em segundos. O desenvolvimento dessas armas teve um importante papel na Guerra Fria que se seguiu.

A Corrida Nuclear

Em 1938, os cientistas alemães Otto Hahn e Fritz Strassmann fissuraram átomos de urânio, bombardeando-os com nêutrons. Conhecido como “fissão nuclear”, esse processo tinha óbvias utilidades militares, e os cientistas no Reino Unido e nos EUA tinham consciência de que os alemães poderiam utilizá-lo para fabricar bombas. Em agosto de 1939, Albert Einstein escreveu ao presidente Roosevelt, apressando-o para que entrasse em ação. O presidente criou o Comitê do Urânio para realizar pesquisas, e depois que os EUA entraram na guerra, em dezembro de 1941, lançou o Projeto Manhattan, para acelerar o desenvolvimento de um dispositivo nuclear pelos EUA.

As Primeiras Bombas

A decisão de usar a força nuclear na II Guerra Mundial foi tomada pelo presidente americano Harry S. Truman, frustrado com a resistência japonesa à rendição final e consciente das grandes perdas, dos dois lados, que resultariam de uma invasão direta do Japão. Ele escolheu Hiroshima devido à sua importância industrial e militar. No dia 6 de agosto de 1945, um bombardeiro B-29 dos EUA, o Enola Gay, lançou a “Little Boy” sobre a cidade de Hiroshima. A bomba explodiu 600m acima da cidade, com uma potência equivalente a 13 quilotoneladas de TNT. Cerca de 90 mil pessoas morreram imediatamente; outras 50 mil morreram mais tarde, devido a ferimentos ou à radiação. Quase 90% dos prédios de Hiroshima foram danificados ou destruídos com a explosão.

A segunda bomba estava destinada à cidade de Kokura, mas esta se encontrava sob um nevoeiro na manhã de 9 de agosto de 1945 e o bombardeiro dos EUA rumou então para Nagasaki. Às 11h02, a bomba “Fat Man” lançou 22 quilotoneladas de explosivos sobre a cidade, causando 70 mil mortes até o final do ano.

O Desenvolvimento Nuclear Mundo Afora

Os EUA perderam rapidamente seu monopólio nuclear após a guerra, quando URSS, Grã-Bretanha, França e China desenvolveram seus armamentos. Os estoques de arsenais nucleares na URSS e nos EUA criaram um clima de terror entre as duas potências, desempenhando um importante papel na Guerra Fria, que dominou as políticas mundiais a partir do final dos anos 1940 até o início dos anos 1990. Israel, Índia, Paquistão e Coreia do Norte partiram para o desenvolvimento de bombas e arsenais nucleares no início do séc. XXI.