O “time-sharing”, a partir da segunda metade do ano de 1960, ofereceu às empresas acesso aos serviços de poderosos computadores. Logo após a computação chegou à caixa registradora pelo código de barras.

No início dos anos 70 o código de barras funcionava por meio de um raio de luz posto diante de um rótulo de linhas pretas e brancas codificados por computador, o qual identificava os artigos um a um, registrando os preços automaticamente. Logo vieram as leitoras a laser e, em 1980, a NEC no Japão e a IBM nos Estados Unidos aperfeiçoaram a invenção utilizando lasers holográficos de feixe dividido. Estes eram capazes de ler os códigos em qualquer ângulo e estado, aumentando a velocidade e confiabilidade do sistema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *